Sábado, 1 de Abril de 2006

Uma Viagem Inesquecível

   Ia Ulisses com os seus companheiros para um lugar sem destino, num dos seus grandes navios, quando reparou que se aproximava um grande temporal.

   Todos tentaram tudo por tudo encontrar um lugar onde se abrigarem, mas estavam no mar alto. A única coisa que viam era mar.

   A tempestade chegou, e Ulisses gritou:

    - “Icem as velas, senão serão destruídas!”

   A tempestade amainou e acabaram, cansados, por adormecer.

   De manhã, ao acordarem, nem queriam acreditar! Estavam a boiar em pleno mar. Por sorte, avistaram terra e com todas as suas forças nadaram até lá.

   Ficaram estupefactos, ao olharem em seu redor, pois tudo o que viam era tão belo e transmitia uma paz de espírito muito intensa.

   Tudo era belo, desde as árvores carregadas de fruta até às cascatas de água límpida e brilhante.

   Ulisses pensava:

 “ - Depois de tanta luta, esforço e mortes, finalmente Deus deu-nos uma bonança.”

   Ficaram lá cerca de quinze dias, e decidiram conhecer outros sítios.

   Durante a viagem, uma vez mais, para um sítio sem destino, o navio começou a tremer e aos poucos e poucos, enchia-se de água devido às ondas.

   Ulisses mandou abandonar o barco. Ninguém o ouviu e todos os marinheiros ficaram dentro do barco.

   Quando reparam, estava à frente deles, um monstro enorme, com cerca de dez olhos e cinco pernas. Apavorados, pediram a Ulisses que tentasse comunicar com o monstro, já que este era o mais corajoso. Ulisses perguntou-lhe:

   “- Quem és tu, que nos queres?”

   Ao qual, o monstro respondeu:

 “- Eu sou o dono da ilha, onde estiveram hospedados, comeram, beberam e usufruíram de tudo o que eu, sozinho, construí!”

   “- Nós não sabíamos, deixa esse coração de pedra e verás que serás uma pessoa muito mais feliz.”

   O monstro não pensou duas vezes e partiu o barco em pedaços.

   Ulisses agarrou na sua espada e cortou-lhe uma perna.

   O monstro pediu ajuda e, arrependido por lhe ter feito mal, Ulisses ajudou-o. Em troca, ele teria de os acolher com hospitalidade e deixar de ter um coração de pedra.

   O monstro aceitou e ficaram lá praticamente um mês.

   No final, Ulisses agradeceu e disse ao monstro:

“- Acolheste-nos o melhor que podias, nunca nos iremos esquecer disso, mas a nossa vida e a nossa paixão é descobrir novas terras. Obrigada amigo, até sempre!”

 

   Assim, Ulisses e os seus companheiros foram à procura de novas aventuras, novos desafios, agora mais que sempre com muita força e coragem.

 

Marta, n.º 15, 7º A

 

publicado por ML às 00:40

| comentar
|
13 comentários:
De anonimo a 2 de Maio de 2006 às 17:51
esta muito giro...acho que esta original e simpático boa marta++
De Anónimos a 2 de Maio de 2006 às 18:12
oooollllaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
tudo bem??????
passamos por aqui para te dizer que o teu texto ta muito giro martinha kida**
tens jeito para a produçao de textos criativos e esperamos que apareçam mais textos teus aqui para termos um momento de diversão

xau bjs***** ;)
De Anónimos a 2 de Maio de 2006 às 18:13
oooollllaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
tudo bem??????
passamos por aqui para te dizer que o teu texto ta muito giro martinha kida**
tens jeito para a produçao de textos criativos e esperamos que apareçam mais textos teus aqui para termos um momento de diversão

xau bjs***** ;)
De Joana Santos a 3 de Maio de 2006 às 07:51
Ola Martuxa**!!!
o teu texto está engraçado, mas sei que com essa tua imaginação podias fazer melhor!!

nao tenho tempo para escrever mais, desculpa,

xau
muitos beijinhos de uma amiga que nunca te vai esqueçer
De Filipa a 9 de Maio de 2006 às 19:21
Oi marta, td bm?
espero que os teus próximos textos, incluindo o poema que fizemos hoje, sejam publicados neste site que está em construção e apresenta melhoras!!!
o texto esta muito original, aliás, como todos os outros!!!
xau, beijinhos ffs

De @£0N$0 a 12 de Maio de 2006 às 21:36
ó marta parabéns pelo texto tá mt mt bom, espero k kontinues a eskrever 4ever!!temos de fazer um texto em conjuntopara ver o k sai visto k escrevos bem!!
adeus bjx
De sara a 13 de Maio de 2006 às 22:52
o texto está muito original, gostei especialmente da parte do monstro, está muito gira.
Tens muito talento.
bjx

De anónimo a 6 de Junho de 2006 às 09:51
And love is blind and that I knew when,
My heart was blinded by you.
De marta a 6 de Junho de 2006 às 11:12
olha la quem é que tu és?
porque é que disses-te aquilo?
responde rapido
De anónimo a 7 de Junho de 2006 às 15:43
l'amour est sans visibilité et cela j'ai su quand, mon coeur a été aveuglé par toi.
De anonimo a 7 de Junho de 2006 às 16:01
o k***ão tu dises mais uma koisa dessas a minha miuda partote a boka
De pessoa a quem tu mandas essas mensagens a 28 de Julho de 2006 às 16:03
Eu gostava muito de saber quem é a pessoa que se esconde por nome anónimo e me manda estas mensagens... Fico à espera da tua resposta.
Só por acaso tu conheces-me? Responde
De Anónimo a 12 de Junho de 2006 às 19:03
n tenho medo de ti Liebe ist Feuer dieses arde außen wenn, Liebe sehend, ist Feuer dieses arde außen beim Sehen; Es ist verletzt, daß sie schmerzt und nicht geglaubt wird; Es ist ein Contentment discontents; Es ist Schmerz, die verrückt überträgt, ohne zu schmerzen; Es ist nicht, mehr als zu wünschen, gut zu wünschen; Er ist allein, unter Leuten zu gehen; Es ist nie, sich von zufriedengestelltem zufriedenzustellen; Es ist, um dem zu kümmern, das, es innen beim Verlieren gewonnen wird; Es ist für Willen eingesperrt werden zu wünschen; Es ist, zu dienen zu wem erfolgreich ist, der Sieger; Es ist, zu haben mit, wem in der Buschloyalität. Aber hinsichtlich der Ursache seine Bevorzugung Dose in der menschlichen Herzfreundschaft, wenn so konträr selbst, ist es die gleiche Liebe?




Amor é fogo que arde sem se ver

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

luis vaz de camões



Comentar post

.Junho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Pesquisar neste blog

 

Simple Plan
How Could This Happen To Me
by Unknown

I open my eyes
I try to see but i’m blinded by the white light.
I can’t remember how
I can’t remember why
I’m lying here tonight
And i can’t stand the pain
And i can’t make it go away
No i can’t stand the pain

Chorus
How could this happen to me
I’ve made my mistakes
Got nowhere to run
The night goes on as i’m fading away
I'm sick of this life
I just want to scream
How could this happen to me

Everybody’s screaming
I try to make a sound but no one hears me
I’m slipping off the edge
I’m hanging by a thread
I want to start this over again
So i try to hold
On to a time when
Nothing mattered
And i can’t explain
What happened and i can’t erase the things that i’ve done
No i can’t

Chorus
How could this happen to me
I’ve made my mistakes
Got nowhere to run
The night goes on as i’m fading away
I’m sick of this life
I just want to scream
How could this happen to me

 

.Outras páginas escritas por nós...

.Arquivos

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.Tags

. amor

. calor

. céu

. coração

. emoção

. estrelas

. eu

. fosse

. memória

. minto

. mulher

. palavras

. pintar

. poema

. poeta

. se

. transformava

. todas as tags

.Nós alertamos:

.Já nos visitaram:

.subscrever feeds