Quarta-feira, 14 de Junho de 2006

Há uma história por contar...

      Era uma vez um avô que gostava muito dos seus netos e este, um dia, vendo a morte às portas, decidiu contar uma história, que ninguém sabia, mas tinha acontecido com ele há muitos anos atrás. Essa história tinha-se passado numas férias de campo.

     E o avô começou assim:

 

      “-Meus netinhos, vou contar-vos uma história, que se passou comigo e com a vossa avó, numas férias de campo, e nunca contei isto a ninguém, nem mesmo aos vossos pais.

      Estava eu no campo, e nessa altura não existia electricidade, portanto para nos aquecermos, tínhamos que ir buscar lenha à floresta. Fui à floresta apanhar uns troncos que estavam no chão, e ao ir para casa enganei-me no caminho e fui parar a uma casa grande e como já estava a escurecer e os lobos começavam a aparecer, esfomeados, não esperei por muito e fui bater à porta para pedir auxílio. Quando cheguei ao portão enorme, comecei a hesitar, porque era uma grande casa que parecia crescer num jardim de rosas. Mas com o frio, o vento que se fazia bater na minha cara, e os lobos que tendiam em aproximar-se não hesitei e bati à porta. Apareceu-me um guarda, expliquei-lhe a minha situação, e foi logo explicar tudo ao dono que não aceitou, mas como a filha estava fora de casa e a noite começava, receoso que os lobos atacassem, disse para eu subir que eu podia lá ficar, dava-me comida, conforto e roupa se lhe fizesse o maior favor da sua vida, e começou por explicar a sua situação.

      - A minha filha saiu cedo e ainda não voltou estou a ficar muito arreliado, não sei que hei-de fazer.

      - Ao ouvir aquilo fiquei muito preocupado e tentei logo confortá-lo com as melhores palavras que conhecia, mas vendo que não conseguia, disse-lhe que o ia ajudar a procurar a sua filha, se me desse roupa para vestir, pois como estive a apanhar lenha, fiquei com a minha roupa rota, e como estava muito frio era capaz de vir a constipar-me.

        Ele deu-me logo as melhores roupas que tinha.

       E lá fui eu ao engano, pois não sabia onde a sua filha estaria, passei por muito frio, passei por uma alcateia feroz e esfomeada e passei pela floresta muito escura em que só a Lua conseguia chegar a certos sítios da floresta, pois não havia Eucaliptos grandes. Fui encontrá-la dentro de um Eucalipto velho, pois ele tinha um grande buraco no seu tronco.

       Estava ela lavada em lágrimas, com frio e com saudades do conforto da sua casa. Disse quem era, ela entendeu, dei-lhe as minhas roupas e fomos outra vez para a grande casa. Ao chegar lá, não havia ninguém para abrir os grandes portões, trepámos a parede e caímos num mar de rosas. Em cada minuto que passava era como se sentisse um formigueiro dentro de mim, cada vez mais apaixonado por ela e ela por mim. Estando no jardim e pegando numa rosa vermelha, disse tudo o que sentia por ela, e ela pegando numa rosa branca disse também o que sentia por mim, demos um beijo e sentimos um grande calor. Fomos os dois para casa, felizes por regressarmos e por nos amarmos tanto, fomos logo contar ao seu pai. Seu pai ficou muito receoso por não me conhecer de lado nenhum hesitou, mas depois concedeu-me a mão dela por eu a ter encontrado e protegê-la do frio. Depois de nos casarmos e termos dois filhos, tivemos estes magníficos netos, e só de pensar que este amor começou por ir apanhar lenha…”

 

Ana Ferreira nº 3

Mafalda Silva nº 12  

 

 

publicado por ML às 10:04

| comentar
|
1 comentário:
De Filipa a 3 de Julho de 2006 às 23:05
O texto esta espectacular... 5*... é só preciso ler e n vale a pena dzr mais nd !!! O fim é k n tem nada a ver km a historia, por isso acho-o tão interessante... E uma historia de amor, logo devia acabar em: " E viveram felizes para sempre...", mas n ão, acaba em: " ... e só de pensar que este amor começou por ir apanhar lenha..." Muito giro, PARABENS para as duas!

Comentar post

.Junho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Pesquisar neste blog

 

Simple Plan
How Could This Happen To Me
by Unknown

I open my eyes
I try to see but i’m blinded by the white light.
I can’t remember how
I can’t remember why
I’m lying here tonight
And i can’t stand the pain
And i can’t make it go away
No i can’t stand the pain

Chorus
How could this happen to me
I’ve made my mistakes
Got nowhere to run
The night goes on as i’m fading away
I'm sick of this life
I just want to scream
How could this happen to me

Everybody’s screaming
I try to make a sound but no one hears me
I’m slipping off the edge
I’m hanging by a thread
I want to start this over again
So i try to hold
On to a time when
Nothing mattered
And i can’t explain
What happened and i can’t erase the things that i’ve done
No i can’t

Chorus
How could this happen to me
I’ve made my mistakes
Got nowhere to run
The night goes on as i’m fading away
I’m sick of this life
I just want to scream
How could this happen to me

 

.Outras páginas escritas por nós...

.Arquivos

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.Tags

. amor

. calor

. céu

. coração

. emoção

. estrelas

. eu

. fosse

. memória

. minto

. mulher

. palavras

. pintar

. poema

. poeta

. se

. transformava

. todas as tags

.Nós alertamos:

.Já nos visitaram:

.subscrever feeds