Sábado, 1 de Abril de 2006

Uma Viagem Para Toda a Vida

Era o sétimo dia do mês de Agosto, um dia que mudou para sempre a nossa vida.

Eu e a Maria vimos no jornal a seguinte notícia:

“Algures, no deserto, paira um tesouro valiosíssimo, a única indicação que temos é que, perto do deserto do Sara existe uma gruta suspeita”.

Não pensámos duas vezes e decidimos ir em busca desse tesouro escondido.

Fomos directamente a uma agência de viagens e reservámos dois bilhetes e dois quartos num hotel.

No próprio dia partimos para África!!! Foi tudo tão rápido que, quando demos por nós, estávamos já a sobrevoar o mar Mediterrâneo.

Chegámos lá e ficámos admiradas, pois tudo era muito estranho e diferente.

Procurámos o hotel, pois tínhamos de descansar. O dia seguinte era decisivo e de grandes descobertas.

Logo de manhã, bem cedo, fomos a uma biblioteca antiga, para procurar informações sobre o passado do deserto. Percebemos de imediato que seria muito complicado encontrar o tesouro, já que havia muitas grutas.

A conduzir um jipe, fomos inspeccionar, uma a uma, as grutas que estavam indicadas nos livros e mapas que nos pareciam interessantes. Ao fim de algum tempo, como já estávamos cansadas e cheias de sede, resolvemos parar e beber uma limonada.

Enquanto bebíamos a limonada, vimos passar dois rapazes.

Achámos muito estranho o facto de os rapazes estarem cada um com um mapa na mão. E resolvemos perguntar-lhes do que eles estavam à procura, provavelmente estariam perdidos, pensámos. Qual não foi o nosso espanto, quando eles nos disseram que estavam à procura do mesmo tesouro que nós!

Ficámos a conversar com eles e descobrimos que eram cavaleiros, e decidimos ir à procura do tesouro todos juntos.

Avistámos ao longe uma gruta muito brilhante. Mas antes estava um vale com muitos lobos e cobras. Resolvemos continuar e passar pelo tal vale.

O vale era escuro e sombrio, nem os pássaros se ouviam. Com medo, continuámos em frente até que, pouco depois vimos uma cobra.

Ela fez um barulho estranho e apareceram muitas mais.

Um dos cavaleiros, o Renato, sem medo, enfrentou as cobras e afastou-as uma a uma. Lobos se ao havia, não os encontrámos.

Ainda hoje não sabemos como é que o Renato afastou as cobras.

Entrámos na gruta e encontrámos o tesouro guardado dentro de uma grande e pesada arca.

Seguidamente, abrimo-la e o brilho que saía da caixa era tal, que iluminava toda a gruta.

Quando agarrámos na arca para a trazermos para fora, a gruta começou a tremer como se se estivesse a desmoronar.

Corremos em direcção à saída e conseguimos escapar.

Decidimos não dizer nada a ninguém acerca da existência do tesouro em nossa posse e vivemos felizes numa cidade perto do deserto, cada uma com um cavaleiro.

  

 Mas não foi por isso que deixámos de partir à aventura, antes pelo contrário, com os quatro juntos era muito mais divertido!

 

Marta Oliveira nº15 7ºA

Maria Câncio nº14 7ºA

 

publicado por ML às 00:22

De tiagofelizardo a 3 de Maio de 2006 às 15:59
ola! passei por aqui porque me enganei num site mto parecido e dei uma vista por aqui na pagina e apercebi me de que os textos sao sempre das mesmas pessoas, ou seja, do afonso e da marta que sao os nomes que estao nos textos, sinceramente nao percebo, mas aproveito para dizer que a pagina ate esta gira.

adeus!!

PS- agradecia uma resposta na situaçao dos textos e vou deixar aqui o meu mail: felizardo_tiago1991@hotmail.com.Obrigado
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.Junho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Pesquisar neste blog

 

Simple Plan
How Could This Happen To Me
by Unknown

I open my eyes
I try to see but i’m blinded by the white light.
I can’t remember how
I can’t remember why
I’m lying here tonight
And i can’t stand the pain
And i can’t make it go away
No i can’t stand the pain

Chorus
How could this happen to me
I’ve made my mistakes
Got nowhere to run
The night goes on as i’m fading away
I'm sick of this life
I just want to scream
How could this happen to me

Everybody’s screaming
I try to make a sound but no one hears me
I’m slipping off the edge
I’m hanging by a thread
I want to start this over again
So i try to hold
On to a time when
Nothing mattered
And i can’t explain
What happened and i can’t erase the things that i’ve done
No i can’t

Chorus
How could this happen to me
I’ve made my mistakes
Got nowhere to run
The night goes on as i’m fading away
I’m sick of this life
I just want to scream
How could this happen to me

 

.Outras páginas escritas por nós...

.Arquivos

. Junho 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.Tags

. amor

. calor

. céu

. coração

. emoção

. estrelas

. eu

. fosse

. memória

. minto

. mulher

. palavras

. pintar

. poema

. poeta

. se

. transformava

. todas as tags

.subscrever feeds